Carnaval no Guincho

Este ano o Carnaval foi brindado com um belíssimo tempo primaveril, o que foi aproveitado por nós para 2 sessões de treino em poucos dias. No domingo o vento faltou e a manhã foi mais de conversa e convívio do que de vôos. Foi à hora de arrumar o material e sair da praia que o vento finalmente começou a soprar uma brisa porreira, o que nos levou a pensar que as forças da natureza andam de candeias às avessas connosco…

Na 3ªf a previsão era para mais uma manhã solarenga e sem vento, e ao chegar à praia, parecia confirmar-se essa ideia. Estava por lá o pessoal do Guincho Kite Team, e com alguns elementos trajados a rigor para o Carnaval. Os meus companheiros de equipa compraram também uns adereços e pronto, lá fizémos figura de palhaços (mais do que o habitual…)

Palhaços

Palhaços

E um close-up:

quadPT em versão carnavalesca

quadPT em versão carnavalesca

A meio da manhã o vento levantou, e com tal força que tivémos que tirar os super-vents e foi com esses que acabámos a sessão de vôo. Assim, em resumo:

– começámos o dia a voar os urban ninja, estáticos de combate para voar sem vento, ou com vento ligeiro

– montei o Over e voei com a bridle toda puxada para cima, na posição UL, durante uns 10 minutos

– montei o Revo com as linhas UL de 25m

– arrumei as linhas UL e desenrolei as regulares, de 35m, na altura em que o resto do pessoal começou a montar os seus kites, regressados de um passeio à beira mar

– arrumeámos os Revo STD e montámos o Super-Vent com que acabámos a sessão

Foi portanto uma manhã bastante produtiva e agradável, e finalmente deu para tirar a barriga de misérias!

Anúncios

Mais uma manhã sem vento

E a meio de Fevereiro, depois de quase 2 meses de Invernia, finalmente tivemos um pequeno break do tempo cinzento e desagradável (será isto uma amostra da Primavera que aí vem?).

A manhã foi de passeio, e desta vez foi toda a família em excursão até ao Guincho! E foi uma excelente manhã de praia, com o sol a brilhar e uma temperatura de 18º, pelo menos. Até os pasteis de nata, que já se tornaram um hábito, souberam melhor. Faltou o vento, que apenas se mostrou já próximo da hora de almoço, e mesmo assim de forma tímida.

Ainda deu para voar um pouco, mas o pouco que se voou, foi de má memória. Foi a primeira vez em quase 6 meses que voámos novamente a rotina da “Ilha dos Açores”, e já estava muito esquecida. Valeu esse reavivar de memória, e certamente que com mais uma sessão de treino, com o vento adequado, voltamos a afinar a nossa rotina mais batida.