Revoclinic 2010

Eu e os meus 3 amigos João e Luis Barradas e José Carlos Dias, estivémos no Revoclinic 2010 que se realizou nos passados dias 6 e 7 de Março na praia de Gandia, na Comunidade Valenciana, em Espanha.

O Revoclinic é um conceito diferente de um festival; na verdade é um evento de pilotos, para pilotos, em que o objectivo é a transmissão de conhecimentos e experiências, colocando-se lado a lado pilotos mais e menos experientes, num clima de total companheirismo e entre-ajuda.

Assim, este ano a equipe espanhola Bolau e o experiente piloto francês Alex Polo foram os “tutores” de cerca de 40 pilotos de variados níveis e experiências, de todos os cantos de Espanha, e no qual participou pela primeira vez uma equipa portuguesa de vôo de papagaios acrobáticos.

Numa primeira parte do evento os pilotos foram divididos entre os vários níveis de experiência, sem grande rigidez e total liberdade de mobilidade entre grupos: novatos absolutos, iniciados, intermédios e avançados; no final, quem quis, participou no mega-team, em que se realizou uma coreografia improvisada em que participaram nada mais nada menos que 24 papagaios Revolution! Não foram mais porque os vários elementos dos Bolau estavam no chão a coordenar os pilotos – não fosse isso e teríamos certamente chegado aos 28…

O modelo do Revoclinic já existe há alguns anos e é muito comum nos EUA como forma de incentivar os mais iniciados a aprender e evoluir mais rapidamente – todos sabemos que a melhor forma de aprender é juntar-nos aos mais experientes! Este ano o quadPT foi testemunhar em primeira mão um destes eventos, e quem sabe num futuro não muito longínquo possamos também importar este formato para o nosso país.

A equipa quadPT existe desde 2006, somos participantes assíduos nos principais festivais de papagaios em Portugal. Somos constituidos por 4 elementos, todos nós pilotos de papagaios acrobáticos, e impulsionadores deste tipo de modalidade em Portugal. Somos actualmente a principal equipa portuguesa de vôo de papagaios acrobáticos.

Para nós foi muito bom do ponto de vista de afinação da nossa técnica individual, e também no contexto do amadurecimento enquanto equipa. Foi também importante por nos darmos a conhecer e ficarmos com um conjunto de contactos que nos pode valer no futuro, para efeito de presenças em festivais de maior envergadura.